Campo Grande não tem o que fazer. #Feiras

Seguindo com a série que fala sobre atrações espalhadas pela bela Cidade Morena, hoje vamos trazer um pouco sobre a ocupação de espaços, geralmente públicos, com a diversidade da economia criativa, principalmente artesãos e fomentadores de desenvolvimento, abrigando comércio variado, cultura com arte da música, dança, teatro e poesia, gastronomia diferenciada e muitos serviços.

Verdadeira “febre recente”, as feiras tomaram conta de praticamente toda a cidade, mas engana-se quem pensa que é uma “novidade”, porque tem feira que já tem quase duas décadas de existência!

Textos e fotos do Amigo da Cidade Morena Gutemberg Oliveira, o Guto.
Siga ele em @msfotoshow @senhordosroles @gutohawk
gutohawk@gmail.com (67) 99187-0087

#FEIRAS CULTURAIS E GASTRONÔMICAS

As feiras culturais viraram um fenômeno e hoje em dia, tem opções em praticamente todos os finais de semana e algumas durante a semana também, fixas e móveis (acontecem em dias aleatórios). O formato é bem parecido: barracas de gastronomia, bebidas, artesanato, vestuário, presentes e normalmente contam com atrações artísticas.

E além das feiras culturais, ainda tem as tradicionais feiras de bairro, que acontecem em periodicidade diferente, em dias fixos, em todas as regiões da capital, e não deixam de ser um atrativo de lazer.
Continuando a numeração de atrações listadas na matéria anterior (aqui), vamos falar das feiras culturais:

28- Feira Borogodó
29- Feira Bosque Camburé
30- Feira Bosque Da Paz
31- Feira Central (Feirona)
32- Feira Mixturô
33- Feira Orla Morena
34- Feira Praça Bolívia
35- Feira São Chico
36- Feira Teatro do Mundo
37- Feira União
38- Feira Ziriguidum
39- Mercadão Municipal Antônio Valente

40- Feira Coopharadio

Acompanhe abaixo, um breve descritivo de cada item e não deixe de buscar informações detalhadas sobre visitação, dias e horários. Pesquise nos perfis das feiras sobre os dias e horários.

clique para ampliar

28- Feira Borogodó: uma das “caçulas” dentre as feiras (começou em junho/2024), a feira conta com muita gastronomia, bebidas, artes, lazer, moda sustentável e muito borogodó, conforme dizem os organizadores Jenny e Felipe, do @tamandua_cafe.
O evento conta com apresentações culturais e fica ali na R. das Garças, na praça central da Coophafé.
Siga as datas e horários em @feira.borogodo

29- Feira Bosque Camburé: a feira nasceu de uma iniciativa de transformar uma área usada como lixão em bosque, onde foram plantadas centenas de árvores, muitas delas frutíferas e tornou-se um pomar urbano.
Depois de formado, o espaço abriga uma feira cultural e hoje movimenta a economia criativa, com barracas de gastronomia, artesanatos e roupas, coordenado pela Associação Amigos do Bosque. Fica na R. Antônio João Escobar, 404, no Oliveira 2. @bosquecambure

30- Feira Bosque Da Paz: a maior dentre as feiras culturais, com mais de 400 expositores, fica localizada no bosque do Carandá, tem barracas de gastronomia, artesanato, bebidas e até móveis à venda.
A feira fica na R. Kame Takaiassu, 500, no Carandá Bosque. Para informações sobre os dias em que ela funciona, acompanhe o perfil @feirabosquedapaz

clique para ampliar
clique para ampliar

31- Feira Central (Feirona): dificilmente alguém não conhece a feirona de Campo Grande! Até um tempo atrás, ela ficava na R. Abrão Julio Rahe, nas imediações da R. José Antonio.
Depois de um tempo, mudou para a Esplanada Ferroviária. Espaço gastronômico e cultural importante, já aconteceram muitos shows dentro e também no amplo estacionamento da feirona.
A Prefeitura escolheu a Esplanada Ferroviária, no entorno da feirona, para realizar a festa de aniversário da cidade, no ano de 2023. Na entrada principal da feira, na R. 14 de Julho, 3351, fica o Monumento do Sobá, outra obra do artista plástico Cleir Ávila. @feiracentralcg

32- Feira Mixturô: a feira é mais um exemplo de empreendedorismo e economia criativa, com barracas de artesanato, gastronomia e presentes. Pelo Instagram, é uma feira itinerante, por isso, acompanhe para saber sobre as próximas edições. @feiramixturo

33- Feira Orla Morena: a Feira da Orla é bem parecida com as tradicionais feiras de bairros, com o diferencial de que está no canteiro de uma das principais avenidas da cidade, que conta com pista de caminhada, palco para atrações artísticas, pista de skate e playground para a criançada. Além das barracas de verduras e frutas, muitas opções de gastronomia e bebidas em barracas e quiosques e comércios fixos, que mantém o funcionamento no dia da feira. Traz muito do espírito da antiga feirona, quando era localizada na rua. Fica na Av. Noroeste, 1650, no bairro Cabreúva.

34- Feira Praça Bolívia: uma das mais tradicionais feiras culturais, talvez a primeira a encampar o conceito de economia criativa e entretenimento, a Praça Bolívia é, antes de tudo, um lugar de encontros: a cidade inteira passa por ali, nos domingos.
Tem barracas de artesanato, antiguidades, roupas, comidas típicas (destaque para as saltenhas bolivianas), bebidas e muita arte e cultura, com apresentações culturais de música, dança e poesia.
Ali você vai poder prestigiar a apresentação de importantes nomes da cultura campo-grandense e também de estreantes. A feira fica no bairro Coophafé, entre as ruas Barão da Torre e Garças.

clique para ampliar
clique para ampliar

35- Feira São Chico: a Feira São Chico é sinônimo de resistência, pois se mantém viva mesmo depois de ter ficado um longo tempo ausente. Atualmente, ela acontece no Palco da Orla Morena, que fica na Av. Noroeste, 1560.
A feira divide também a organização da Feira Vai ou Racha, ali na R 14 de Julho, 4000 (atrás do Comper São Francisco). @feirasaochico_ms

36- Feira Teatro do Mundo: o espaço Estação Cultural Teatro do Mundo promove uma feira cultural, a cada dois meses, e nos outros dias é ocupado por muitas ações como shows de música, dança e peças de teatro, além de abrigar um café e uma boutique de artesanatos.
Fica ali na R. Barão do Melgaço, 177, no centro da cidade, bem pertinho da Praça dos Imigrantes. @estacaoculturalteatrodomundo

clique para ampliar

37- Feira União: o nome do bairro não poderia ser mais propício, pois foi a união dos moradores que fez com que a feira surgisse.
Contando com mais de uma centena de expositores, a feira tem brechó, gastronomia, bebidas, artesanato e muito mais, num esforço conjunto das Associações de Moradores dos Bairros União I e II.
O endereço da feira é na R. Paulo Hideo Katayama, 709. @feiradouniao

38- Feira Ziriguidum: outra feira de economia criativa e empreendedorismo, além de muita cultura, a Ziriguidum nasceu de um sarau e acabou se transformando, no ano passado, em mais um evento cultural.
Ocupando o espaço da bela Praça do Preto Velho, no Jd. Paulista, a feira aproveita a excelente arborização do local, que além de um ótimo gramado, conta com quadras poliesportivas. Acompanhe a agenda de eventos em @feiraziriguidum

clique para ampliar

39- Mercadão Municipal Antônio Valente: cravado no centro de Campo Grande, com endereço à R. 7 de Setembro, 65, o Mercadão Municipal faz parte da história da cidade há mais de 60 anos.
Na época de ouro da ferrovia, o espaço iniciou como feira livre e foi se especializando.
Hoje, a estrutura abriga barracas de artesanatos diversos, ervas de tereré e chimarrão e muita gastronomia típica, como os famosos pastéis de carne de jacaré!
Além das barracas, tem lojas diversas, ótimos açougues e é do ladinho do Camelódromo.

40- Feira Coopharadio: a Feira Cultural Coopharadio surgiu como alternativa de geração de renda familiar para artesãos na época da pandemia, que limitou as atividades da população. Também serviu como terapia para a presidente do bairro, Ana Claudia, que passava por uma depressão e a feira veio como um bálsamo em sua vida.
Atrelada à ideia da feira, foi criada a Associação Cultural Arte em Ação, para ampliar os projetos e alavancar as ações em prol da comunidade local e de toda região.
É uma feira estritamente familiar e inclusiva, valorizando os artistas e a cultura de vários povos, com atrações da cultura espanhola, gaúcha, argentina, japonesa, árabe e romani, além de ter um olhar voltado para a inclusão social, prestigiando projetos como a Associação Juliano Varela, presente na edição de julho, que cuida de crianças com Síndrome de Down.
Acontece no primeiro sábado do mês, na R. Assunção, s/n, Praça V, no bairro Coopharadio. Acompanhe as edições no perfil @feiradocoopharadio